sábado, 24 de novembro de 2012

dia de gato egípcio

hoje é um sábado
daqueles sábados

em que a gente mata
e morre em seguida.

Morrer é fácil, aprendi com
as tantas unhas que perderam
o equilíbrio e caíram dos meus dedos.

Agora matar é bem mais difícil.
Só mato, e sem querer,
formigas quando ando
em zigue-zague, tonto
pela praça.

Hoje é um sábado em que nem xarope na colher
lembra minha infância e me faz sentir
um sobrevivente.

Parar diminuir esse batuque de pajelança dentro do meu peito
não me há outra alternativa senão matar alguém
e morrer depois.


2 comentários:

  1. Tão natural pensar em coisas para se matar na mente... mas acaba-se mesmo só morrendo de morte morrida. Sim, é fácil...

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Porque hoje é sábado, como no poema, tudo é permitido. Até matar, até morrer. Aliás, vivemos matando - quem? - preparando a nossa morte.

    Abraços.

    ResponderExcluir