terça-feira, 1 de outubro de 2013

deduções e carapuças

Para escrever poemas
não preciso que o céu
caia nem que o inferno
levante-se até os olhos.

Para teu governo,
não finjo na cama

nem quando as mãos
sem sentido se perdem.

A questão é chegar ao gozo
com o olhar meio bambo
e lágrima.


3 comentários:

  1. Vê-se a lágrima prestes a cair.
    Lindo, poeta.

    ResponderExcluir
  2. Saudades do poeta lá no face, jorrando pérolas!

    beijos,

    ResponderExcluir