segunda-feira, 22 de outubro de 2012

sanguessuga

há coisas que não mudam -
ah, Deus, essa minha preguiça
essa vontade febril de ficar na cama
e admirar o estábulo pegando fogo e as ovelhas
fugindo desesperadas com o dorso em chamas.

Que me importa o prejuízo,
o caráter, a repulsa dos vizinhos,
o julgamento e a condenação da consciência.

Lá no banquete do vale de poetas ociosos
e inúteis, talvez encontre os meus pares
e me olhe no espelho.

Mas, por enquanto tudo
em meu corpo é parado:
sangue, lágrimas, sêmen.

E a alma, essa coisa
que não se beija,
glorifica-se
do vazio.

Ah, Deus, essa minha indolência de gigante
e esse meu nanismo de rei -

mesmo que desabasse uma montanha sobre minha cabeça
e uma serpente acuada surgisse na minha frente
apenas olharia de esguelha
e prosseguiria deitado
ouvindo o vento -

esse cãozinho faminto
a uivar na minha porta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário