segunda-feira, 8 de outubro de 2012

com olhos fechados o suspiro é eterno

O que me agrada a poesia
é a certeza absoluta
que não há fim.

O verso que sucumbe
o mesmo que escapa.

Já esqueci de quantas peles e olhos
deixei pelo caminho em lugares perdidos
cujas frestas observamos apenas uma vez.

Somos cobras e amamos a terra
e sob um coito sobrenatural
rasgamos o corpo

permitindo aos gravetos,
aos pedregulhos,
ao barro

a nossa muda,
o nosso dia
mortal.

4 comentários:

  1. Eu te leio e, sempre, me inspiro. Nem sempre para escrever. Sempre para viver.

    Beijo, querido.

    ResponderExcluir
  2. Poesia de gente grande, meu caro!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. E o fôlego de peso!

    Beijo, bruxo*

    ResponderExcluir