terça-feira, 18 de outubro de 2016

Café

Faço um café muito louco
Com todas as borras
Do meu passado.
Aceite meu abismo
E não ouse me dizer
Que sou um bom moço.
O coração perdido e pecador
Nunca me deixou morrer iludido.
Os pequenos flashes de lucidez
Confirmam a minha coragem.
Não penso por quanto tempo
Suportarei a minha preguiça.
Mas é essa languidez
Que devo amar agora.
A poesia é um ato de fogo
Das mãos de quem caiu.
Você só ouvirá a minha gargalhada
E só verá os meus dentes amarelos.
A minha lágrima é pecado.
É só pra mim, meu bem.

2 comentários:

  1. ... O mesmo café pode prever um futuro que podemos (ou não) engolir!...
    Está um café amargo e, ao mesmo tempo, leve ;-)

    Abraços =)

    ResponderExcluir