terça-feira, 31 de maio de 2016

Quando vejo as tranças
Queimadas de sol e sal
De um rasta, lembro-me

Dos camarões
Da minha serra.

Naquele tempo,
Não era bruxo
(Nem sou
Agora)

Mas adorava
Contemplar
De perto

O céu,
As fontes,
As grutas.

Seguia borboletas
Pelas trilhas e nunca
Esquecia o caminho de volta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário