terça-feira, 24 de maio de 2016

Jurei por minha alma
Que não foi o poeta
Quem roubou
O relógio
Cartier.

Minha mãe e minha irmã
Não acreditam, mas eu vi
Um bando de formiguinhas

Levando a peça
Como se em procissão
Conduzissem um totem
Ao buraco da parede.

Minhas cúmplices
Precisam saber
A hora exata
Da minha
Morte.

Um festão,
Baby.


Nenhum comentário:

Postar um comentário