segunda-feira, 30 de maio de 2016

Se o poeta sofre um infarto fulminante,
Os passarinhos já lhe roubaram
O coração.

E não tem papo.
Não há volta.

Sabe-se lá
O que os passarinhos
Planejam com nosso amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário