terça-feira, 20 de agosto de 2013

halo

O amor é infinito
porque não se sabe
o princípio da outra alma
que encantada se eterniza.

Se há guerras e intrigas pelo caminho,
vejo então apenas migalhas

de fantasmas
enlouquecidos.

O amor não acaba
é novo a cada
silêncio -

aquele que é cego
vive a confundir

as dobras das pálpebras
com a luz do olhar.

E toda loucura a mais são outros mares de perdição -
multidões de zumbis perdidos em uma plantação
de girassóis.


Um comentário:


  1. Às vezes tua poesia me silencia. Calo. E continua ela...
    Beijos,

    ResponderExcluir